Servidores acusam secretário de Aracati de exigir parte de seus salários sob ameaça

 

Os servidores Francisco Barbosa da Rocha e Josimar Queiroz de Matos denunciaram, na terça-feira (28), o secretário de Desenvolvimento Agrário de Aracati, Nélio Falcão, à Ouvidoria do município por exigir parte dos salários dos servidores, sob ameaça de demissão.

Segundo o relato, Nélio mandou que pelo menos três servidores fossem à sua casa e dessem R$ 60 à sua esposa e a outro servidor em setembro e outubro de 2017.

Os dois homens afirmam que, após negarem dar parte de seus salários ao secretário, passaram a ser perseguidos. A situação se agravou ainda mais quando denunciaram o abuso ao secretário de Relações Institucionais, Abelardo Pompeu. Segundo os servidores, Nélio Falcão passou a ameaçá-los com demissão para obrigá-los a desmentirem a denúncia.

Na denúncia junto à ouvidora, Josimar e Francisco afirmam que, após recorrem a Abelardo, passaram a ser ameaçados diariamente pelo secretário Nélio, recebendo constantes ligações dele e da vereadora de Aracati Ilda de Sousa (PDT), aliada do secretário e responsável por sua indicação à Secretaria de Agricultura.

O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) já moveu ação civil pública contra Nélio e Ilda por suspeita de atuarem como funcionários fantasmas em cargos na Prefeitura de Aracati.

Denúncia

Na denúncia, Josimar e Francisco relatam a irregularidades no pagamento de seus salário. “Trabalhamos como serviços gerais na apreensão de animais no horário de 5:00 da manhã às 21:00 da noite, com intervalo para o almoço, de domingo a domingo e feriados”, afirmam. No entanto, no mês de abril de 2017, foram obrigados a dividir o salário para três pessoas. Em maio, também segundo os servidores, o salário não foi pago e, ao entrarem em contato com Nélio, foram avisados que o mês de maio era “voluntário” e quem quisesse manter o emprego deveria aceitar.

Os servidores relatam que, entre junho e agosto, os salário foram pagos “direitinho”, porém, em setembro, quando receberam pela primeira vez o pagamento pelas hora extras, Josimar, Francisco e outro servidor foram avisados por Nélio que deveriam dar R$ 60 de seus salários a outro servidor, chamado Cristiano. Com medo de perder o emprego. eles aceitaram. Segundo eles, a prática se repetiu em outubro, mas, desta vez, os R$ 60 deveriam ser entregues à esposa de Nélio. Francisco e Josimar não aceitaram e buscaram ajuda.

Cristiano

O “Cristiano”, citado no relato de Josimar e Francisco, é Cristiano Pereira da Silva, ex-gerente operacional da secretaria de Agricultura de Aracati, sendo responsável pela fiscalização da entrega da merenda escolar, demitido recentemente também por problemas no pagamento do salário. Em entrevista ao radialista Rafael Barbosa, Cristiano afirmou que recebia apenas o salário mínimo na secretaria, mesmo tendo cargo de gerência.

Segundo Cristiano, ao recorrer ao secretário pela adequação do salário, Nélio disse que arrumaria “umas horas extras”, depois recuou e afirmou que não poderia pagar horas extras, porque Cristiano estava em cargo comissionado, mas conseguiria o dinheiro com outros servidores, que seriam Josimar e Francisco.

Na entrevista, Cristiano afirma ter ficado desconfortável ao receber dinheiro da hora extra de outros servidores e procurou Nélio. No entanto, após as reclamações, passou a não mais receber a verba, em seguida, foi escanteado em sua função, não mais sendo acionado e, por fim, perdeu o emprego.

Por Ceará News 7

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *