Mensagens: Pela sua arrogância e opressão ao seu povo, Deus castigou o Rei Nabucodonosor que Ficou louco ao ponto de comer campim

 

A Bíblia Sagrada conta a história do Rei Nabucodonosor, rei da antiga Babilónia, esse reino destruiu Jerusalém e levou cativo o povo Hebreu por 70 anos.

Foram 70 anos de opressão e sofrimento que o povo de Deus passou nas mãos de Nabucodonosor.

Nabucodonosor era arrogante mas descobriu que Deus é maior que qualquer governante. Em seus encontros com Daniel, Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, Nabucodonosor viu o poder de Deus para salvar seus servos e humilhar os arrogantes. Nos últimos anos de sua vida, Nabucodonosor aprendeu a louvar a Deus.

No segundo ano de seu reinado, Nabu­codonosor teve sonhos; sua mente ficou tão perturbada que ele não conseguia dormir. Por isso o rei convocou os magos, os encantadores, os feiticeiros e os astrólogos para que lhe dissessem o que ele havia sonhado. Quando eles vieram e se apresentaram ao rei, este lhes disse: “Tive um sonho que me perturba e quero saber o que significa”.

O rei perguntou a Daniel, também chama­do Beltessazar: “Você é capaz de contar-me o que vi no meu sonho e interpretá-lo?” Daniel respondeu: “Nenhum sábio, encan­tador, mago ou adivinho é capaz de revelar ao rei o mistério sobre o qual ele perguntou, mas existe um Deus nos céus que revela os mistérios. Ele mostrou ao rei Nabucodonosor o que acon­tecerá nos últimos dias. O sonho e as visões que passaram por tua mente quando estavas deitado foram os seguintes: “Quando estavas deitado, ó rei, tua mente se voltou para as coisas futuras, e aquele que revela os mistérios te mostrou o que vai acontecer.

Então o rei Nabucodonosor caiu prostra­do diante de Daniel, prestou-lhe honra e orde­nou que lhe fosse apresentada uma oferta de cereal e incenso. O rei disse a Daniel: “Não há dúvida de que o seu Deus é o Deus dos deuses, o Senhor dos reis e aquele que revela os mistérios, pois você conseguiu revelar esse mistério”.

Mesmo acreditando que Daniel falava em nome de Deus, o rei Nabucodonosor fez uma imagem de ouro de vinte e sete metros de altura e dois metros e setenta centímetros de largura, e a ergueu na planície de Dura, na província da Babilônia.

Então o arauto proclamou em alta voz: “Esta é a ordem que é dada a vocês, ó homens de todas as nações, povos e línguas: Quan­do ouvirem o som da trombeta, do pífaro, da cítara, da harpa, do saltério, da flauta dupla e de toda espécie de música, prostrem-se em terra e ado­rem a imagem de ouro que o rei Nabucodonosor ergueu. Quem não se prostrar em terra e não adorá-la será imediatamente atirado numa forna­lha em chamas”.

Sadraque, Mesaque e Abede-Nego responderam ao rei: “Ó Nabucodonosor, não precisamos defender-nos diante de ti. Se formos atirados na fornalha em chamas, o Deus a quem prestamos culto pode livrar-nos, e ele nos livrará das tuas mãos, ó rei. Mas, se ele não nos livrar, saiba, ó rei, que não prestaremos culto aos teus deuses nem adoraremos a imagem de ouro que mandaste erguer”. Nabucodonosor ficou tão furioso com Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, que o seu semblante mudou. Deu ordens para que a forna­lha fosse aquecida sete vezes mais que de costume e ordenou que alguns dos soldados mais fortes do seu exército amarrassem Sadra­que, Mesaque e Abede-Nego e os atirassem na fornalha em chamas.

Mas logo depois o rei Nabucodonosor, alar­mado, levantou-se e perguntou aos seus conse­lheiros: “Não foram três os homens amarrados que nós atiramos no fogo?”

Eles responderam: “Sim, ó rei”. E o rei exclamou: “Olhem! Estou vendo quatro homens, desamarrados e ilesos, andando pelo fogo, e o quarto se parece com um filho dos deuses”.

Disse então Nabucodonosor: “Louvado seja o Deus de Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, que enviou o seu anjo e livrou os seus servos! Eles confiaram nele, desafiaram a ordem do rei, preferindo abrir mão de sua vida a prestar culto e adorar a outro deus que não fosse o seu próprio Deus. Por isso eu decreto que todo homem de qualquer povo, nação e língua que disser alguma coisa contra o Deus de Sadraque, Mesaque e Abede-Nego seja despe­daçado e sua casa seja transformada em montes de entulho, pois nenhum outro deus é capaz de livrar alguém dessa maneira”.

A arrogância e prepotência de Nabucodonosor era tão grande, que nos seus últimos dias ficou louco e agia como um animal comendo capim como a Biblia descreve : Doze meses depois, quando o rei estava andando no terraço do palácio real da Babilônia, disse: “Acaso não é esta a grande Babilônia que eu construí como capital do meu reino, com o meu enorme poder e para a glória da minha majestade?” As palavras ainda estavam nos seus lábios quando veio do céu uma voz que disse: “É isto que está decretado quanto a você, rei Nabuco­donosor: Sua autoridade real foi tirada. Você será expulso do meio dos homens, viverá com os animais selvagens e comerá capim como os bois. Passarão sete tempos até que admita que o Altíssimo domina sobre os reinos dos homens e os dá a quem quer”. A sentença sobre Nabucodonosor cumpriu-se imediatamente. Ele foi expulso do meio dos homens e passou a comer capim como os bois. Seu corpo molhou-se com o orvalho do céu, até que os seus cabelos e pelos cresceram como as penas da águia, e as suas unhas como as garras das aves.

Esse rei teve um triste fim, mesmo Deus entregando o povo de Judá em suas mãos para pagarem pela maldade e idolatria que praticavam, Deus também pesou sua mão forte sobre esse rei que tanto afligiu o seu povo e não reconheceu o poder do altíssimo.

Toda a passagem sobre a história de Nabucodonosor está no livro de Daniel e algumas passagens foram exibidas pela novel “O rico e Lázaro” da Record TV.

por Sidney Sena

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*