Janeiro de 2018 foi o segundo mês mais violento da história do Ceará

Janeiro terminou como o segundo mês mais violento da história do Ceará. Os 482 assassinatos só ficam atrás dos números de outubro de 2017, que registrou 516 homicídios.

No comparativo com janeiro do ano passado, houve um aumento de 38,1% dos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs). A cada dia do primeiro mês do ano, em média, 15 pessoas morreram violentamente no Estado, ou seja, uma pessoa foi assassinada a cada uma hora e meia.

Das 482 mortes, 28 delas aconteceram em três chacinas — quatro mortos em Maranguape, no dia 7; 14 mortos no bairro Cajazeiras, no dia 27; e 10 mortos em unidade prisional de Itapajé, dia 29. Ainda que excetuando-se do total o número de vítimas dos três massacres, o número de janeiro do Ceará é 30% maior que os 349 homicídios registrados em janeiro de 2017.

 

Os dados foram divulgados ontem na sede da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). O balanço mostra que apenas o Interior Sul apresentou redução no número de mortes violentas, passando, no comparativo de janeiro de 2017 e 2018, de 93 para 79 homicídios — uma diminuição de 15,1%. O maior crescimento foi registrado no Interior Norte, que pulou de 46 para 87 mortes — um acréscimo de 89,1%. Na Região Metropolitana de Fortaleza, o aumento foi de 72,7%, com 152 mortes contra 88 de 2017.

 

Concentrando 34% dos homicídio de todo o Estado, Fortaleza somou 164 mortes violentas em janeiro. O número é 34,4% maior que os 122 homicídios do ano anterior.

Ainda que com dados expressivos de violência, o titular da SSPDS, André Costa, ressaltou que houve reduções em cinco das dez Áreas Integradas de Segurança (AISs) de Fortaleza. O secretário citou também que o número é o menor desde abril de 2017 na Capital.

O balanço divulgado apontou estagnação nos registros de furtos no Ceará (de 4.756 para 4.762); acréscimos nas prisões em flagrante (total de 1.916, com aumento de 47,8%) e de armas apreendidas (664, com aumento de 11,8%). E, apesar do aumento de 5,3% (1.020) de roubos de carro e à residência, os números de roubos a pessoa diminuíram 10,8% (total de 4.544).

Desde que assumiu a gestão da pasta, no início de janeiro de 2017, este foi o 12º balanço de CVLIs apresentado pelo secretário. Em 11 deles, os índices de homicídios apresentaram aumento. Questionado se há falhas na estratégia adotada, o gestor disse que “as falhas são estruturais”. “É importante entender que quando dá certo ou errado não é só a Polícia, é um conjunto de processos que culminou em 2017 e continua em 2018 com esse pico de violência e homicídios”, apontou.

 

ROUBOS NO CEARÁ

Apesar do aumento de 5,3% (com 1.020 casos) de roubos de carro e à residência, os números de roubos a pessoa diminuíram 10,8% em janeiro (total de 4.544)

Fonte: O Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top