Depois de Nova York, foi a vez de Dallas rejeitar Bolsonaro

Além de enfrentar resistência do prefeito de Nova York, a ida do presidente Jair Bolsonaro aos Estados Unidos dividiu os vereadores de Dallas, no estado do Texas. Metade dos 14 conselheiros, como são chamados no país, assinou uma carta oficial contra a visita do presidente do Brasil à cidade.

O motivo da crítica é o mesmo que levou o democrata Bill de Blasio, prefeito de Nova York, a afirmar que Bolsonaro não seria bem recebido na maior cidade americana: o posicionamento do presidente brasileiro em temas como os direitos de grupos LGBT, índios e negros.

Bolsonaro receberá no World Affairs Council of Dallas, na quinta-feira (16), uma homenagem da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, que o escolheu como “Personalidade do Ano”.

Ativistas organizam pelas redes sociais manifestações contra a presença do presidente e prometem se reunir no local do evento.

Para os vereadores de Dallas, a visita significa “providenciar ao presidente Bolsonaro uma plataforma para um evento que perigosamente normaliza seu autoritarismo e mostra apoio tácito a seus atos discriminatórios, palavras e posições políticas”, afirmam na carta.

A premiação foi realizada em jantar de gala na noite de terça-feira em Nova York, e inicialmente iria conta com a presença de Bolsonaro. Mas, depois do posicionamento do prefeito e de protestos, o presidente cancelou sua participação.

No Texas, um dos estados mais conservadores dos EUA, o principal articulador contra a visita do brasileiro é o vereador Scott Griggs, do Partido Democrata. Ele busca a eleição para prefeito de Dallas, e deve concorrer com o também democrata Eric Johnson, mas que não manifestou oposição a visita de Bolsonaro.

O atual prefeito, Mike Rawlings, já declarou discordar de algumas posições de Bolsonaro, mas que não se oporia à visita de um líder democraticamente eleito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top
%d blogueiros gostam disto: