Quinze homens estão na lista dos principais procurados pela justiça no Ceará

O número de capturas de criminosos aumentou no Ceará. Segundo entrevistas recentes do titular da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), André Costa, o Estado vem batendo recordes seguidos de autos de prisões em flagrante. Porém, há um grupo específico que continua longe das grades.

Quinze homens figuram na lista dos mais procurados do Ceará. Todos eles chegaram a tal posição devido às participações em crimes de grande repercussão e comoção na sociedade. Há quem já tenha sido preso anteriormente e fugido da prisão e quem desafia constantemente as autoridades, aparecendo em público mesmo ao saber que o rosto está estampado com os dizeres “à procura”.

Pré-requisitos

Conforme o chefe do gabinete da Polícia Civil do Estado do Ceará, delegado Sérgio Pereira dos Santos, para ser um dos mais procurados pelas forças da Segurança Pública, não é necessário ter extensa ficha criminal. Os critérios na hora da escolha vêm de estudos formulados pelas Inteligências das Polícias Civil e Militar.

“Tráfico de drogas e assaltos a bancos são os crimes mais comuns dentre eles. E a verdade é que esses dois delitos se interligam entre si. Quando falta dinheiro para comprar droga, a forma mais rápida de se capitalizarem novamente é assaltar bancos”, disse Sérgio Pereira.

O delegado conta que na lista não faltam membros de facções criminosas. Aqueles que já passaram pelo Sistema Penitenciário e se evadiram do cárcere de forma ilegal são costumeiramente vistos envolvidos em novas práticas delituosas.

Dos que já estiveram na lista, foram presos e reincidiram estão: Jeremias Ávila Frota, Olívio Beserra Queiroz, Enilton Cordovil Coelho, Marcos de Oliveira Silva, Douglas Aparecido Piovesan, Anilson Ricardo Neys e o paraguaio Pastor Florêncio Cabral Gimenez. Parte fugiu junta, da Casa de Privação Provisória de Liberdade (CPPL) I, em Itaitinga, no mês de março de 2016.

Repercussão

Sérgio Pereira citou que o mais recente a entrar para a lista foi Francisco Alberto Nobre Calixto Filho. No dia 1º de janeiro de 2018, ele matou a ex-companheira Stefhani Brito, de 22 anos. Momentos antes de morrer, ela teria ido para a casa do rapaz a seu pedido, em uma tentativa de proteger seus familiares.

“O caso desse Calixto é um dos que causou instabilidade na sociedade diante da repercussão. Consideramos também que essa pessoa pode voltar a praticar delitos diante do comportamento visto. Na lista, tem vários faccionados, alguns velhos conhecidos nosso. Divulgamos as imagens para que a população ajude a identificar, mas a nossa orientação é nunca agir sozinho, porque todos são muito perigosos”, destaca.

Conforme o delegado, há esforços concentrados nas buscas dos 15 mais procurados. Quando os agentes recebem informações sobre possíveis paradeiros de algum destes, costumam ser deflagradas as operações.

“Não é sempre que temos notícias deles. Fazemos divulgações de âmbito nacional, trocamos informações com outras inteligências e se houver indício que existe possibilidade de se ausentar do País, entramos em contato com a Polícia Federal e a Interpol. Geralmente, eles permanecem na lista até serem pegos”, acrescentou Pereira.

Fonte: Diário do Nordeste

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: